Opinião: situação no Iêmen pode ser o começo de uma guerra civil

© AFP 2022 / MOHAMMED HUWAISMembros das forças de segurança iemenitas se mostram leais aos houthis
Membros das forças de segurança iemenitas se mostram leais aos houthis - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
A situação no Iêmen pode se tornar o início de uma guerra civil, especialmente tendo em conta o apoio externo de ambas as partes, opinou nesta sexta-feira (27) o chefe do Comitê internacional do Conselho de Federação russa, Konstantin Kosachev.

A coalizão internacional, com a participação da Arábia Saudita e de outros Estados do golfo Pérsico, começou na noite da quinta-feira (26) a operação militar contra os rebeldes houthis que têm controle sobre a maior parte do Iêmen. A coalizão realizou ataques aéreos contra o aeroporto da capital Sanaa e vários alvos militares. Como resultado, dezenas de pessoas mortas. Mais cedo, o presidente do Irã, Hassan Rohani, condenou a operação militar no Iêmen.

Konstantin Kosachev comentou os acontecimentos:

“A situação no Iêmen é explosiva, as partes em conflito são igualmente fortes e prontos para o combate. Poderia ser o início de uma guerra civil, especialmente porque ambos os lados têm apoio externo.”

Ele sublinhou que a Arábia Saudita interfere no conflito sem uma resolução da ONU, e a Liga Árabe tomou uma decisão adequada sobre o fato.

Seguidores do movimento Houthi em manifestação de repúdio à interferência estrangeira nos assuntos internos do Iêmen em Sanaa - Sputnik Brasil
Península de tempestades: por que Arábia Saudita lançou guerra no Iêmen?
O deputado russo também notou padrões duplos que os Estados ocidentais aplicam à avaliação das situações no Iêmen e na Ucrânia:

“O presidente do Iêmen deixou o país, mas a posição dos EUA é que a legitimidade do presidente não está em questão, mas que os rebeldes devem depor as armas.”

Ao mesmo tempo quando o presidente eleito ucraniano Viktor Yanukovich se encontrava na mesma situação, ele foi declarado pessoa non grata imediatamente. Segundo o deputado Kosachev, ambos os Estados sofreram um golpe de Estado.

Ao responder à questão da emissora Sputnik, se os EUA poderiam participar na propagação do conflito, Kosachev disse:

“Não tenho dúvidas que existiu a participação [norte-americana]”.

Ao mesmo tempo, ele achou difícil falar sobre a motivação, acrescentando que os norte-americanos às vezes agem irracionalmente.

Segundo o deputado, a Rússia já propôs uma solução pacífica para a situação, evitando o uso da força e por via de compromisso e das negociações.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала