Deputada alemã propõe introduzir sanções contra EUA e Reino Unido e não contra Rússia

Nos siga noTelegram
A deputada do Bundestag e vice-chefe do partido A Esquerda (Die Linke) Sahra Wagenknecht criticou duramente, no seu discurso no parlamento alemão, as autoridades da Alemanha e pessoalmente a chanceler Angela Merkel pela intenção de prolongar as sanções econômicas antirrussas.

Protesto contra Banco Central Europeu em Frankfurt - Sputnik Brasil
Deputada alemã fala sobre tumultos em Frankfurt, marcha nazista letã e oposição à Rússia
Segundo a opinião da deputada, Merkel, seguindo a política norte-americana, empurra a Europa para uma longa confrontação com a Rússia, o que resultará numa nova Guerra Fria. 

“O objetivo principal dos EUA é destruir as relações entre a Alemanha e a Rússia, cuja união é a única força que pode ameaçar o domínio dos EUA”, frisou. 

A deputada também criticou a política estadunidense em relação à Ucrânia.

“Na sequência desta política, a Ucrânia perdeu a maior parte da sua indústria. Hoje este país está falido, as pessoas têm fome e frio, o salário médio é mais baixo do que no Gana, em África. A confrontação com a Rússia prejudica não só a Ucrânia, mas sim toda a Europa. Não é segredo que os EUA desencadearam o conflito com a Rússia inclusive por razões econômicas. Quando os norte-americanos falam de direitos humanos, começam também a falar sobre o direito de obter recursos naturais e, imaginem, na Ucrânia foram encontradas grandes reservas de gás de xisto”, manifestou Wagenknecht.     

European Council building is reflected in a photograph of the EU flag on the wall of the European Council building, in Brussels - Sputnik Brasil
O futuro das sanções europeias contra a Rússia será decidido nos próximos meses
Além disso, a deputada do Bundestag manifestou dúvidas sobre a capacidade das autoridades de Kiev de resolver o conflito no leste da Ucrânia de maneira pacífica e chamou as sanções antirrussas introduzidas pela União Europeia de “tiro no pé”. 

“Por que razão não surge nenhuma palavra de crítica da intenção das autoridades de Kiev de gastar neste ano quatro vezes mais dinheiro na compra de novas armas apesar da ameaça de quebra econômica? Além disso, será que a presença de instrutores norte-americanos e as vendas de armas [à Ucrânia] por parte dos EUA e Reino Unido pode ser interpretado como apoio à solução pacífica do conflito armado? Não querem introduzir sanções contra os EUA e Reino Unido? Eu acho que seria melhor reconsiderar a política de sanções e aceitar que tudo isso foi um grande erro e que a Europa deu um tiro no pé. É por esta razão que as sanções não devem ser prolongadas”, manifestou.

Ex-funcionário de NSA Edward Snowden - Sputnik Brasil
EUA ameaçam Alemanha com sanções por causa de Snowden
Ainda no ano passado, os Estados Unidos, a União Europeia e os seus aliados acusaram a Rússia de intervir no conflito ucraniano, inclusive prestando uma suposta assistência militar para os independentistas da região de Donbass, que haviam se insurgido por se recusarem a reconhecer a legitimidade do novo governo em Kiev.

Desde março de 2014, o Ocidente já impôs várias rodadas de sanções contra Moscou, visando não só indivíduos de alto escalão, mas também os setores bancários, de energia e de defesa da Rússia.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала