Cadastro bem-sucedido!
Por favor, siga o link da mensagem enviada para

Justiça argentina convocará junta médica para esclarecer morte de promotor

© AP Photo / Rodrigo AbdFotografia de Alberto Nisman com bandeira da Argentina ao fundo
Fotografia de Alberto Nisman com bandeira da Argentina ao fundo - Sputnik Brasil
Nos siga no
A Justiça argentina vai convocar uma junta médica para esclarecer novas dúvidas que surgiram sobre a morte do promotor Alberto Nisman.

Sandra Arroyo Salgado - Sputnik Brasil
Fiscal que tinha acusado presidente da Argentina foi assassinado, diz esposa
Promotor Alberto Nisman foi encontrado no banheiro de sua casa, com um tiro na cabeça,  quatro dias depois de acusar a presidenta da Argentina, Cristina Kirchner, de acobertar os responsáveis pelo pior atentado na história do país.

A decisão foi tomada pela promotora responsável pelo caso, Viviana Fein, que reconheceu divergências entre o laudo oficial, que diz que Nisman se suicidou, e uma investigação paralela, feita a pedido da família do promotor, informou a Agência Brasil.

De acordo com a investigação não oficial, Nisman foi obrigado a se ajoelhar de frente para a banheira e recebeu um tiro por trás, de um revólver calibre 22, encontrado ao lado do corpo. Essa descrição detalhada está no relatório de 93 páginas, feito pelos peritos contratados pela ex-mulher com base nos dados fornecidos pelos responsáveis da investigação oficial.

Cristina Kirchner, presidente da Argentina - Sputnik Brasil
Juiz do caso Nisman diz que não há elementos para investigar Cristina
Apesar dos dados serem os mesmos – fotografias do corpo na posição em que foi encontrado, manchas de sangue, resultados da autópsia – as conclusões das duas equipes de peritos são muito diferentes. Segundo os especialistas da Suprema Corte, Nisman morreu na tarde do dia 18 de janeiro e não há provas suficientes para determinar se foi suicídio ou homicídio. Já os peritos contratados pela família dizem que ele foi assassinado um dia antes, que agonizou e que teve o corpo movido.

Fein informou que o relatório foi aceito como parte da investigação e que vai investigar “as dissidências, que praticamente são totais, em relação a autópsia” com a convocação da junta médica.

Adolfo Pérez Esquivel - Sputnik Brasil
Opinião: na Argentina ocorre “golpe de Estado brando”
Nisman era o promotor responsável pelas investigações do atentado de 1994 contra o centro comunitário judaico AMIA, que matou 85 pessoas e feriu mais de 300 em Buenos Aires. Ele acusou o Irã de ter planejado o ataque.

Em janeiro deste ano, o promotor acusou Cristina Kirchner de conspirar com Irã para acobertar os supostos terroristas. O motivo, segundo Nisman, seria um acordo econômico entre os dois países em que a Argentina compraria petróleo iraniano e venderia trigo e armas. Nisman seria ouvido no Congresso argentino no dia 19 de janeiro, mas foi encontrado morto na véspera.

Feed de notícias
0
Antigas primeiroRecentes primeiro
loader
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала