Advogado alemão acusa Poroshenko de homicídio por causa do Boeing malaio

© AFP 2022 / MENAHEM KAHANAObras de resgate no local da queda do voo MH17, em Donbass
Obras de resgate no local da queda do voo MH17, em Donbass - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
Advogado que defende os interesses dos familiares das vítimas da queda do voo MH17 lamenta falta de informações e esclarecimentos oficiais.

Em entrevista à Sputnik Deutschland, o advogado alemão Elmar Giemulla, que defende os interesses dos familiares das vítimas da queda do voo MH17, da Malaysia Airlines, em 17 de julho em Donbass, declarou que as autoridades aéreas europeias bem sabiam do perigo dos céus ucranianos, mas não fizeram nada para o evitar.

Mas o alvo da crítica principal são as autoridades ucranianas, que não fecharam o espaço aéreo após um avião de carga ter sido derrubado na região a 6 mil metros de altura. E 6 mil metros de altura não é muito diferente da altura normal de voo de aviões de passageiros.

Soldados ucranianos - Sputnik Brasil
Acordo de Minsk prevê retirada de tropas e reforma constitucional
As autoridades alemãs também o sabiam bem e estavam avisadas sobre o perigo. Porém, não reagiram.

O doutor Giemulla refere-se a um relatório do Ministério das Relações Exteriores da Alemanha, que está na sua disponibilidade e que diz o seguinte: "O derrube de um avião de carga a 6 mil metros de altura testemunha uma nova fase do conflito [no Leste da Ucrânia]".

Desinformação

Segundo Giemulla, toda essa história do avião derrubado pronto começou a ser uma arma de combate de "guerra de informações". No entanto, os próprios familiares e próximos dos passageiros mortos não receberam informações verídicas e até às vezes, "além de já ter sido objeto de jogos e intrigas políticas, têm a sensação de serem usados como instrumento de promoção ou ocultamento de diversos interesses políticos".

Debaltsevo, Donetsk - Sputnik Brasil
Espanhóis que lutaram em Donbass disseram que estavam combatendo o neonazismo na Ucrânia
O advogado comentou que ainda não é possível falar de conclusões finais. O relatório preliminar "não diz nada a respeito" da tragédia, afirma Giemulla. Portanto, resta esperar o relatório final da comissão de inquérito.

E esperar que as informações e conclusões que esse documento irá conter sejam informações de verdade e não só palavras para fechar o assunto.

Ação penal

Os familiares das vítimas mortais do voo MH17 entraram com uma ação penal contra as autoridades da Ucrânia e o presidente Pyotr Poroshenko em pessoa no Tribunal Europeu dos Direitos Humanos, acusando os réus de "homicídio culposo de 298 pessoas".    

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала