Casa Branca se diz contra fornecimento de armas letais à Ucrânia

© Sputnik / Ekaterina Chesnokova / Abrir o banco de imagensCasa Branca de Washington
Casa Branca de Washington - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
O vice-conselheiro de Segurança Nacional da Casa Branca, Ben Rhodes, afirmou que o envio de mais armas para Ucrânia não seria uma resposta para a crise naquele país. O anúncio foi feito esta segunda-feira em uma entrevista à CNN.

“Nos não achamos que a resposta à crise na Ucrânia seja o envio de mais armamentos”, disse Rhodes. O oficial ressaltou acreditar no efeito das sanções econômicas, por supostamente afetarem profundamente a Rússia. Os EUA acusam a Rússia de ingerência nos assuntos internos da Ucrânia. Moscou nega categoricamente estas acusações.

 

Um dia antes, o jornal New York Times comunicou, citando fontes na administração da Casa Branca, que uma série de conselheiros e oficias do exército estariam pressionando o presidente Obama a fornecer armas para Ucrânia. Entre estes estariam inclusive o comandante da OTAN, General Philip Breedlove, o chefe do Estado-Maior americano, general Martin Dempsey, bem como a conselheira de segurança nacional, Susan Rice.

 

Presidente dos EUA Barack Obama - Sputnik Brasil
Chancelaria russa espera "novas revelações" depois da declaração de Obama
O projeto de orçamento para 2016, apresentado por Obama ao congresso nesta segunda-feira, prevê 117 milhões de dólares para Ucrânia, para ajudar no alegado “combate às pressões da Rússia”. No entanto, não há menções expressas de suporte militar.

 

Já no domingo, o presidente dos EUA, Barack Obama, tinha confirmado, em entrevista à rede CNN, que os Estados Unidos tinham participado da "transição do poder na Ucrânia".

 

"O senhor [presidente da Rússia, Vladimir] Putin tomou essa decisão em torno da Crimeia e da Ucrânia, não por causa de alguma grande estratégia, mas, essencialmente, porque foi pego de surpresa pelos protestos no Maidan e [pelo então presidente da Ucrânia, Viktor] Yanukovich fugindo em seguida depois que nós intermediamos um acordo para a transição de poder na Ucrânia", disse, textualmente, o mandatário estadunidense.

 

O ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov, comentou as palavras de Obama, dizendo que "a retórica exprimida na entrevista significa a intenção de Washington de mais adiante fazer tudo para apoiar incondicionalmente as ações das novas autoridades em Kiev que aparentemente resolvem o conflito pela força".

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала